Pular para o conteúdo principal

Dr. Hong Kong

English version below.

Uma das maiores desvantagens de ter que morar sozinha é ficar doente. Acho que todos que passam ou já passaram por essa situação sabem como é bom ter a ajuda de alguém nessas horas (alguém = mamãe), hehehe.

Semana passada, depois da minha incrível viagem pelo Camboja e Vietnã (assunto do próximo post) eu ja estava meio mal há uns dias, porque aparentemente meu estômago não se acostumou aos temperos diferentes desses dois países. E pra piorar, terça feira eu peguei uma baita gripe que veio pra zuar de ver meu mal-estar. É um saco.

E quem me conhece sabe das minhas crises alérgicas e pode imaginar o que acontece quando estou gripada: fico como um chafariz, meu nariz fica escorrendo 24 horas por dia (desagradável, mas é verdade), o que dificulta as atividades do dia-a-dia, como trabalhar e dormir. O jeito é ir ao médico!

Hong Kong tem um dos melhores sistemas de saúde do mundo, porém como acontece no Brasil, é superlotado e aparentemente leva 1 ano até você ter uma consulta no hospital público. O sistema privado, por outro lado, é um dos mais caros do mundo. Infelizmente aqui não é obrigatório que a sua empresa te dê um plano de saúde, mas minha empresa, muito "generosamente" tem convênio com uma rede de clínicas, ou seja, pequenas consultas com médico generalista são grátis.

E lá fui eu pro médico. É bizarro, o consultório é bem ao estilo HK: minúsculo. A recepcionista dá um passo está na recepção; outro passo, está no consultório do doutor; outro passo, está na salinha de remédios! O doutor mantém a conversa no mínimo "Bom dia, em que posso te ajudar?" "Quais são os seus sintomas?" "Ah, tosse, espirros e dor no corpo? Vou te dar um remédio pra cada um desses. Thank you, bye bye!" - Num piscar de olhos já estou fora da sala dele e vejo que a consulta durou 3 minutos.

A parte boa é que os remédios são de graça! A recepcionista me deu um saquinho com um estoque de cada remédio por uns 3 dias e até uma garrafinha com xarope pra tosse, ótemo! Abaixo uma foto da "farmacia" que tenho em casa, de todas as vezes que tive que ir no médico:



Felizmente depois de 3 dias tomando remédios, cházinho de limão e dormindo cedo, já estou melhor. O que não ajudou foi que não peguei nem uma tardezinha de folga pra ficar debaixo das cobertas e me recuperar mais rápido, porque tinha muitas coisas que fazer, e também, depois de 1 semana de férias, confesso que fiquei com peso na consciência de ter mais folgas.

Mas já aprendi minha lição, minha saúde é mais importante que uma tarde a mais ou a menos de trabalho. Como o doutor, espero não estar sendo 'contaminada' pelo jeito de trabalho daqui...

******

A major disadvantage of living alone is to get sick. I think everyone who have been in this situation know how it’s good to have someone to help in times like these (someone = mommy) hehehe.


Last week, after my awesome trip to Cambodia and Vietnam, I was already a little bit ill, since apparently my stomach never got used to the exotic spices used in these countries. And to make things worse, last Tuesday I got a friggin’ cold. Sucks big time.

Those who know me also know about my random allergic crisis and can imagine how am I with a cold: just like a fountain, with my nonstop running nose (unpleasant, but true), which makes all daily activities, like working and sleeping, much more difficult. The solution is to go to the doctor!

Hong Kong has one of the best public healthcare systems in the world, but just like Brazil, it is overcrowded. Apparently it takes 1 year before you can get an appointment at a public hospital. The private healthcare system, on the other hand, it’s one of the most expensive in the world. Unfortunately here in Hong Kong it is not mandatory for the companies to give a health plan to their employees, but my company is “generous” and gives us a very basic deal, with a network of small clinics where we can go for free, if the consultation is with a general doctor.

There I go to see the doc. It is very weird, but the clinic fits perfectly the HK style: very tiny. The receptionist moves one step and is in the reception; another step, is in the doctor’s office; another step, is in the medicine cupboard! And the doctor maintains the conversation as short as possible “Good morning, how can I help you?” “What are your symptoms?” “Oh, coughing, sneezing and body ache? I’ll give you a medicine for each of that. Thank you bye, bye!” – and in a second I’m already out of his office and notice that the consultation lasted around 3 minutes.

The good part is that the drugs are all for free! The receptionist gave me a small recipient with some of each pill (enough for around 3 days) and even a small bottle with cough syrup, it’s great! Above you can see a picture of the ‘drugstore’ I’ve accumulated in my house.

Fortunately after 3 days of taking drugs, drinking lots of lemon tea and sleeping early, I am finally better. What didn’t help is that I decided not to take any sick leave to enjoy an afternoon in bed, trying to get some rest; I just had so many things to do at work, and also because after 1 week of vacations I would feel my conscience heavy for taking another day off.

But I have already learned my lesson for next time; my health is more important than one afternoon more or less at work. Like the doctor I met, I hope I’m not being ‘contaminated’ by the way people work around here…

Comentários

  1. E eu aqui impaciente sabendo que vc estava dodoi e sem poder fazer nem um chazinho para te ajudar na sua recuperação. Previna-se filha para evitar such situação. Bjks, mamy...

    ResponderExcluir
  2. Juzinha!! Tinha esquecido do seu blog! HAHA! Lembrei hj qdo vi o link no FB.
    Espero que vc já esteja melhor! Eu, como colega alérgica, posso imaginar o perrengue que vc passou com seu nariz.

    Beijos e muitas saudades!!
    Mon

    ResponderExcluir
  3. Melhoras, Julia.

    Alex Chan

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Top 10: comida de rua de Hong Kong

Se tem uma coisa que o povo aqui de Hong Kong adora é comer fora! Porém, com um estilo de vida tão atarefado, familias normalmente pequenas e apartamentos ainda menores, poucas pessoas tem tempo e disposição para cozinhar em casa. Além disso, Hong Kong oferece uma variedade enorme de opções gastronômicas para todos os gostos e bolsos, então normalmente é bem fácil encontrar restaurantes para matar a fome depois de um longo dia de trabalho.
Mas quando você quer comer algo rápido, o que você faz? Vai na padoca, pede um pão de queijo com pingado e segue com sua vida? A resposta (obviamente) é não. Mas quando falamos de lanches e comida de rua, Hong Kong oferece uma infinidade de opções que vale a pena provar! Algumas comidinhas são apenas para os mais corajosos, como vocês vão ver na lista abaixo, mas HK tem coisas deliciosas que já fazem parte do meu cardápio, haha!


Como curiosidade, listo abaixo 10 comidas de rua super interessantes de Hong Kong (em ordem aleatória). Importante mencio…

Como conseguir um visto de trabalho em Hong Kong (parte 1)

Eu já falei sobre isso em um post anterior, mas vira e mexe aparece a pergunta no grupo de brasileiros em Hong Kong no Facebook: como conseguir um visto de trabalho em Hong Kong? Por isso resolvi falar mais sobre como obter o tão sonhado visto de trabalho (uma vez que você receba uma proposta de emprego de uma empresa local).

No meu caso, por exemplo, eu tive que ir na cara e na coragem, já que depois de receber a proposta para trabalhar na ONG eu percebi que: 1) o escritório tinha apenas 10 funcionários na época e o RH era novo, e 2) como eu suspeitava, o cara do RH não fazia a menor idéia de como processar um visto de trabalho. Aliás, quando eu finalmente comecei a trabalhar, ele já tinha até se demitido, então vai vendo o nível...
Hong Kong é um lugar com ótimas ofertas de trabalho para profissionais qualificados. Porém, muitas empresas que nunca tiveram experiência com o processo do visto ficam meio desmotivadas em contratar estrangeiros e ter que cumprir os requisitos exigidos pe…

Viver em Hong Kong - O guia!

Estou de volta!
Aliás, nunca abandonei este meu belo blog, mas vários motivos de força maior me impediram de escrever nos últimos 6 meses, incluíndo preguiça e outras coisas mais importantes, como formatura, viagens, e até uma mudança de emprego! Mas sempre estive aqui, na boa e velha Hong Kong...
Nesses meses recebi vários emails de brasileiros que tem interesse de morar em Hong Kong e saber mais sobre a vida aqui. Para unir o útil ao agradável, resolvi dar uma ajuda e reunir algumas informações bem úteis para quem está interessado em vir passar uma(s) temporada(s) aqui.
Regra número 1 - Hong Kong não é China!
Eu já falei isso várias vezes aqui no blog, mas viver em HK é totalmente diferente de morar na China. Um exemplo: brasileiros podem vir pra HK a turismo sem precisar de visto e ficar aqui até 90 dias. Já para a China, brasileiros precisam sim de visto! Me empolguei e até fiz uma tabela com as diferenças mais marcantes entre HK e China:
Hong KongChinaPreciso de visto?NãoSimIdio…