Pular para o conteúdo principal

Laos - Parte 1

Esta entrada no blog é para dividir com vocês um pouco mais sobre a minha já não tão recente aventura asiática: Laos e Tailândia!

Laos? Onde é que fica isso? - Pois é, isso foi o que muita gente me perguntou quando eu falei que iria passar o natal e ano novo por lá! Apesar do Laos ser logo ali, na fronteira com a China, muitas pessoas não tinham nem ideia sobre onde fica esse país tão desconhecido e fora das rotas turísticas tradicionais, que para os asiáticos, normalmente envolve compras, compras e mais compras. 

Enfim, aproveitando os feriados do fim de ano, o Martin e eu resolvemos pegar alguns dias de folga e para conhecer algum destino mais "exótico" e o Laos foi a nossa escolha! Como não existem voos diretos de Hong Kong ao Laos, aproveitamos para viajar via Tailândia e fazer uma escala de 3 dias em Bangkok  na volta. Depois de um ano cansativo, eu bem que merecia umas boas férias, hehe!

Os templos laosianos
O Laos é um dos países mais pobres do sudeste asiático, onde aproximadamente um terço da população vive abaixo da linha de pobreza. É também uma das última nações socialistas do mundo, ao lado da China, Vietnã, Coréia do Norte e Cuba (só faltam 2 para eu completar a minha lista, haha). O Laos era tradicionalmente formado por diferentes reinos, que foram invadidos pela França no final do século XIX, e depois pelos japoneses durante a II Guerra Mundial. O Laos ainda teve um papel importante durante a Guerra do Vietnã, sendo um dos principais campos de batalha entre os americanos e os comunistas. Infelizmente também foi um dos países mais bombardeados durante a guerra, e até hoje possui milhares de minas terrestres espalhadas que nunca foram encontradas, mas que estão prontas para explodir a qualquer momento. Muito triste!

Deixando a história de lado, o Laos também é conhecido por ter lindas paisagens, rios, cavernas, templos e basicamente um estilo de vida mais relaxado que nas grandes metrópoles asiáticas! Depois de programar nosso roteiro, decidimos iniciar nossa jornada em Luang Prabang, descer de ônibus até Vang Vieng e depois Vientiane, a capital do Laos, e de aí tomar um avião de volta a Bangkok. Ou seja, 12 dias de puro descanso, sem pensar em trabalho, estudos ou problemas! :)

Depois de uma passada rápida em Bangkok onde passamos a noite de natal (nem deu tempo pra celebrar muito), tomamos o avião de manhãzinha para Luang Prabang via Bangkok Airways. Aliás, o aeroporto internacional de Suvarnabhumi é uma beleza, super bonito, moderno e com muitas amostras grátis dos deliciosos doces tailandeses no Duty Free, hahaha! Além disso, a Bangkok Airways oferece um lounge grátis para seus passageiros, que por alguma razão desconhecida ninguém usa, mas tem comidinhas gostosas, bebidas e internet sem fio! Os aviões são bem simples e meio antigos, mas a viagem só durou uma hora, então nem dá tempo pra reclamar.

O lounge da Bangkok Airways!


Luang Prabang

Luang Prabang for a capital do Laos em tempos longínquos e agora é umas das mais importantes cidades turísticas, além de ser patrimônio cultural da UNESCO. A cidade em si é super pequena em comparação a outras cidades asiáticas (tem só 22 mil habitantes!), mas sua fama vem da arquitetura tradicional francesa combinada com belos templos budistas espalhados por toda a cidade. Como estávamos na época do natal, resolvemos ser precavidos e reservar um hostel com antecedência, mas as opções de hospedagem em Luang Prabang são tantas, que talvez poderíamos ter nos hospedado em um lugar melhorzinho pelo mesmo preço. Ficamos em um hostel chamado Philaylack Villa (não me pergunte sobre o nome hehe), que era ok... a localização era boa, mas não tinha café da manhã e na última noite descobrimos que um dos painéis de vidro da janela estava quebrado!

Enfim, Luang Prabang é uma cidade muito legal e bonitinha! :) Dá para perceber que a cidade serve bem seu propósito de ser um lugar para relaxar, apreciar a natureza e ficar numa boa. O que foi bom, porque tivemos tempo de sobra para visitar todas as atrações turísticas sem ter que acordar super cedo. Apesar de a cidade ser pequena, as atrações principais ficam um pouco afastadas, então a melhor solução é ir de tuk-tuk! Eles estão por toda parte e isso ajuda bastante na hora de negociar o preço.

Alguns dos lugares que conhecemos:

Kuang Si Falls: essas cachoeiras são umas das principais atrações de Luang Prabang, e com razão, elas são lindas! Por causa do terreno e dos minerais na água, as cachoeiras formam diversas piscinas naturais que tem uma cor verde-água (turquesa?) muito bonita! Infelizmente o tempo não estava quente o suficiente para entrarmos na água, senão dava para passar um bom tempo só aproveitando as piscinas! É um passeio que vale a pena!

Kuang Si Falls - olha a cor da água!

Pak Ou Caves: as 'cavernas de Buda' ficam bem afastadas da cidade, e para chegar lá você ainda tem que pegar um barquinho que atravessa o rio Mekong. Bom... na minha opinião a fama dessas cavernas é meio exagerada! Tá bom que elas ficam bem no meio do paredão de pedra que margeia o rio e em algum passado longínquo foi o principal centro de peregrinação budista e etc... Mas a caverna em si é bem pequena e cheio de estátuas de Buda (de todos os tipos e tamanhos) caindo aos pedaços. Além do que está bem na cara que as cavernas deixaram de ter uma função 'religiosa' e passaram a ser uma armadilha para turistas. Enfim, só vá se você tiver bastante tempo livre!

Muitos budas

Tad Sae Waterfalls: essas cachoeiras também são super bonitas, mas a atração do lugar são os elefantes! Sim, nós aproveitamos para dar uma voltinha em cima deles! :) Foi muito legal poder andar em cima do elefante e ele lá, tranquilão, hahaha! Andamos ao redor das cachoeiras e ele até entrou na água com a gente em cima! Foi super legal e um passeio inesquecível!

Dando uma volta de elefante :)

Alms Ceremony: essa é uma tradição antiga de Luang Prabang, onde os monges saem no nascer do dia para recolher comida doada pelos moradores da cidade, que é a sua principal fonte de alimentação. Eles saem de seus templos em fila, com sua roupa laranja e vão recolhendo a doação de cada pessoa. Antes de viajar eu li em outros blogs na internet sobre como a cerimonia é super emocionante e como é bonito ver a antiga tradição budista e o momento de solidariedade, etc etc...

É, eu não sou uma fotógrada muito boa hehe...

...Pois bem, eu sou meio cética e calculista, e apesar de acreditar que os monges realmente dependem dessas doações para comer, está bem claro que essa cerimônia acabou sendo "turistizada" para arrancar mais $$ dos inocentes visitantes. Mas até dá para entender, se eu fosse uma laosiana eu acho que faria a mesma coisa! Assim que colocamos o pé pra fora do hostel, lá pelas 5h30 da manhã (na maior friaca) fomos rodeados a cada esquina por senhoras tentando nos vender arroz e outros pratos para dar para os monges. Compramos um pouco de comida e fomos andando para esperar até que os monges saíssem dos tempos... a essa altura a rua principal já estava cheia de turistas, enquanto que as senhoras tentavam nos convencer a comprar mais comida.

Acho que foi 1 hora depois que os monges finalmente saíram para recolher as doações, e eles não estão para brincadeira: são vários, de todas as idades que vão recolhendo a comida da mão de cada doador (leia-se: turista) e colocando em suas cestas. Você não pode tocar nos monges, e eles não param pra conversar ou tirar fotos... em 15 minutos, todos os monges já tinham ido embora para seus templos para tomar o café da manhã recém adquirido, hehehe.

Esses são apenas alguns dos destaques de Luang Prabang, mas eu vou ficar por aqui, porque já faz MESES que estou escrevendo este post, mas parece que nunca termino! Dessa vez eu resolvi escrever um post mais detalhado, porque acho que assim a leitura fica mais interessante. No próximo vou escrever sobre Vang Vieng, o paraíso dos mochileiros e Vientiane, a capital do Laos. Fiquem ligados! :)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Top 10: comida de rua de Hong Kong

Se tem uma coisa que o povo aqui de Hong Kong adora é comer fora! Porém, com um estilo de vida tão atarefado, familias normalmente pequenas e apartamentos ainda menores, poucas pessoas tem tempo e disposição para cozinhar em casa. Além disso, Hong Kong oferece uma variedade enorme de opções gastronômicas para todos os gostos e bolsos, então normalmente é bem fácil encontrar restaurantes para matar a fome depois de um longo dia de trabalho.
Mas quando você quer comer algo rápido, o que você faz? Vai na padoca, pede um pão de queijo com pingado e segue com sua vida? A resposta (obviamente) é não. Mas quando falamos de lanches e comida de rua, Hong Kong oferece uma infinidade de opções que vale a pena provar! Algumas comidinhas são apenas para os mais corajosos, como vocês vão ver na lista abaixo, mas HK tem coisas deliciosas que já fazem parte do meu cardápio, haha!


Como curiosidade, listo abaixo 10 comidas de rua super interessantes de Hong Kong (em ordem aleatória). Importante mencio…

Como conseguir um visto de trabalho em Hong Kong (parte 1)

Eu já falei sobre isso em um post anterior, mas vira e mexe aparece a pergunta no grupo de brasileiros em Hong Kong no Facebook: como conseguir um visto de trabalho em Hong Kong? Por isso resolvi falar mais sobre como obter o tão sonhado visto de trabalho (uma vez que você receba uma proposta de emprego de uma empresa local).

No meu caso, por exemplo, eu tive que ir na cara e na coragem, já que depois de receber a proposta para trabalhar na ONG eu percebi que: 1) o escritório tinha apenas 10 funcionários na época e o RH era novo, e 2) como eu suspeitava, o cara do RH não fazia a menor idéia de como processar um visto de trabalho. Aliás, quando eu finalmente comecei a trabalhar, ele já tinha até se demitido, então vai vendo o nível...
Hong Kong é um lugar com ótimas ofertas de trabalho para profissionais qualificados. Porém, muitas empresas que nunca tiveram experiência com o processo do visto ficam meio desmotivadas em contratar estrangeiros e ter que cumprir os requisitos exigidos pe…

Viver em Hong Kong - O guia!

Estou de volta!
Aliás, nunca abandonei este meu belo blog, mas vários motivos de força maior me impediram de escrever nos últimos 6 meses, incluíndo preguiça e outras coisas mais importantes, como formatura, viagens, e até uma mudança de emprego! Mas sempre estive aqui, na boa e velha Hong Kong...
Nesses meses recebi vários emails de brasileiros que tem interesse de morar em Hong Kong e saber mais sobre a vida aqui. Para unir o útil ao agradável, resolvi dar uma ajuda e reunir algumas informações bem úteis para quem está interessado em vir passar uma(s) temporada(s) aqui.
Regra número 1 - Hong Kong não é China!
Eu já falei isso várias vezes aqui no blog, mas viver em HK é totalmente diferente de morar na China. Um exemplo: brasileiros podem vir pra HK a turismo sem precisar de visto e ficar aqui até 90 dias. Já para a China, brasileiros precisam sim de visto! Me empolguei e até fiz uma tabela com as diferenças mais marcantes entre HK e China:
Hong KongChinaPreciso de visto?NãoSimIdio…