Pular para o conteúdo principal

Laos - Parte 3: Vientiane

De Vang Vieng tomamos uma van ruma à capital do Laos, Vientiane, onde passaríamos a virada do ano. A viagem dura umas 4 horas e é bem tranquila, já que a estrada não tem tantas curvas. Por sorte a van parou na frente do museu nacional do Laos, que era bem perto do nosso hostel (a maioria dos hostels fica na mesma região) e pudemos ir andando. Aliás, o que mais fizemos em Vientiane foi andar!

Como era fim de ano, nós reservamos todas as acomodações com antecedência. Mas em Vientiane infelizmente não demos sorte e ficamos num hostel bem meia boca, chamado Vientiane Star Hotel. Por fora o hotel é bonitinho, bem cuidado, cara da recepção foi super gente boa e tals, mas nosso quarto foi uma decepção: além de ser minúsculo, a janela não abria, a cama era dura e o banheiro não tinha nenhum tipo de ventilação, blergh! Pelo menos a internet funcionava bem, hehehe.

Monges curtindo a sombra do templo :)

Vientiane passou a ser a capital do Laos durante o século 19, quando o país passou a ser um protetorado da França (antes a capital era Luang Prabang). E mesmo com a devolução dos poderes ao governo local, a cidade manteve-se como capital. Apesar disso, Vientiane parece uma cidade do interior, com ruas tranquilas, poucos carros e motos, muito diferente de outras capitais da Ásia! Se você visitar o Laos, muito provavelmente irá passar por Vientiane, mas se prepare porque que não tem muito para fazer por aqui. Nós ficamos 2 noites e foi mais que o suficiente! Mas vamos lá:

Patuxai: Também conhecido como "Portão da Vitória" é um monumento ao estilo do Arco do Triunfo na França. Mas isso não é mera coincidência, meus amigos! O arco, construído em 1969 é justamente a intenção do governo militar de fazer algo maior e mais grandioso que seu primo famoso francês. Patuxai é alguns metros mais alto que o Arco do Triunfo - missão cumprida para o governo, haha!

Patuxai
O monumento fica no meio de uma praça na avenida principal da cidade. É possível subir ao alto do arco e é possível tirar fotos e comprar lembrancinhas. Eu gostei de visitar, foi interessante saber um pouco mais da história do Laos!

Eu e o Martin fomos andando de nosso hostel até lá, aproximadamente uns 30-40 minutos de caminhada. É possivel ir de taxi ou tuk-tuk, mas francamente, depois de tudo que eu falei sobre o Laos já ficou claro que não é um país para se ver com pressa! Andando é possível parar para ver os templos, ver o comércio local, comprar um lanche dos vendedores na rua. Conseguimos até visitar a ÚNICA escada rolante de todo o país, que fica em um mercado local, hahaha!

Pha That Luang: É o principal símbolo do Laos, sua imagem está presente até nas notas de dinheiro do país. É um templo budista (assim como muitos outros espalhados pela cidade), mas seu destaque é a altura e o fato de que o tempo está coberto de ouro! De acordo aos registros históricos, o templo foi construído no século III d.C., mas foi muito danificado e até chegou a ser destruído com o passar do tempo! Foi só no início do século XX que o Pha That Luang for reconstruído em sua forma original.

Ouro, muito ouro!!!!

Nós fomos andando de Patuxai até o templo, são 2 quilometros de caminhada, mas sem grandes dificuldades! Pha That Luang é muito bonito, e de longe dá pra ver seu topo dourando brilhando na luz do sol do fim do dia. A área do templo é bem menor que outros (como os gigantes templos tailandeses) e em 1 hora é possível visitar quase tudo e tirar muitas fotos! Infelizmente eu não conheço muito sobre a cultura e arquitetura budistas, então não tenho muito para falar sobre os detalhes e significados escondidos no templo, hehe, mas vale a visita!

Rio Mekong: O Laos é a segunda 'parada' do famoso rio Mekong, que nasce na China, para depois passar pelo Laos, Camboja e desembocar no Vietnã. Já havíamos passado pelo Mekong em Luang Prabang e quando visitamos o Camboja e Vietnã, há uns 2 anos atrás. Em Vientiane porém, o Mekong não é uma grande atração turística: nós fomos andando até a margem do rio (que fica bem perto da 'zona turística' da cidade). Tem algumas praças que margeiam o Mekong, mas pelo menos por onde passamos não havia muito para se ver.

A gente chegou em Vientiane justamente na véspera do ano novo, dia 31 de dezembro! Infelizmente por causa do feriado boa parte do comércio estava fechado. Por outro lado, os restaurantes que estavam abertos estavam disputadíssimos! Conseguimos jantar em um restaurante francês (u lá lá) e depois fomos dar uma volta para encontrar um lugar onde passar a virada do ano. Vientiane não estava tão movimentada, mas perto da meia noite encontramos um lugar em uma praça onde estava rolando uma festa de ano novo.

Depois da contagem regressiva e beijos a abraços de "feliz ano novo" já estávamos voltando para o hotel quando escutamos uma música vindo de longe. Fomos seguindo a música e chegamos a outra celebração de ano novo, bem maior e mais animada! Obviamente patrocinada pela marca de cerveja local, a Beer Lao! Ficamos por lá ouvindo algumas bandas tocando ao vivo e todo mundo dançando, foi bem legal poder ver o lado 'festeiro' dos laosianos!

No dia seguinte, por causa do ano novo, infelizmente muitos lugares estavam fechados. Acabamos acordando tarde e dando uma volta pela cidade (que estava ainda mais vazia que o normal), visitando alguns templos e curtindo o 'clima de cidade do interior' de Vientiane. Existe um passeio que te leva até um lugar perto da fronteira com a Tailândia (a 1 hora de viagem de Vientiane) para ver o "Buddha Park", um parque dedicado à exposição de dezenas de estátuas de Buda, mas preferimos ficar na cidade.

Museu Nacional do Laos: No dia seguinte, antes de irmos para o aeroporto, tivemos a chance de visitar o principal museu do país. Eu adoro visitar museus de história, principalmente quando a história é convenientemente distorcida para favorecer certos regimes políticos (cof cof, comunistas)! A história do Laos é muito rica, e mostram muitas coisas sobre a história antiga do país e seus diversos reinados. A parte de história contemporânea também é interessante, principalmente pra quem curte coisas relacionadas à guerra, principalmente o retrato que o governo faz sobre como eles foram os grandes salvadores do Laos contra os americanos do capeta! O museu não é muito grande e em 2 horas é possível visitar quase tudo.

Como eu falei no começo desse post, na minha opinião, não vale a pena passar mais do que uma noite em Vientiane: em dois dias é possível visitar todas as principais atrações da cidade. E olha que a gente bem que tentou ir atrás de feirinhas locais e outros lugares interessantes que vimos no guia, mas mesmo assim não encontramos nada que chamasse muito a atenção.



O Laos é um país grande, e por falta de tempo não conseguimos visitar outros lugares famosos, como o Plain of Jars (ou "planície de jarras", em português), que é um campo imenso com misteriosas "jarras" de pedra gigantes, que estão lá há centenas de anos, mas que até hoje os arqueólogos não descobriram de onde vem. Outras cidades no sul do Laos (perto da fronteira com o Camboja) são famosas pelos esportes aquaticos.

Ao invés disso, nossa viagem nos levou a passar uns últimos dias de férias em Bangkok, capital da Tailândia, mas isso fica para uma próxima. Só digo que o Laos é um país relativamente inexplorado que tem muito para oferecer! Eu recomendo! :)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Top 10: comida de rua de Hong Kong

Se tem uma coisa que o povo aqui de Hong Kong adora é comer fora! Porém, com um estilo de vida tão atarefado, familias normalmente pequenas e apartamentos ainda menores, poucas pessoas tem tempo e disposição para cozinhar em casa. Além disso, Hong Kong oferece uma variedade enorme de opções gastronômicas para todos os gostos e bolsos, então normalmente é bem fácil encontrar restaurantes para matar a fome depois de um longo dia de trabalho.
Mas quando você quer comer algo rápido, o que você faz? Vai na padoca, pede um pão de queijo com pingado e segue com sua vida? A resposta (obviamente) é não. Mas quando falamos de lanches e comida de rua, Hong Kong oferece uma infinidade de opções que vale a pena provar! Algumas comidinhas são apenas para os mais corajosos, como vocês vão ver na lista abaixo, mas HK tem coisas deliciosas que já fazem parte do meu cardápio, haha!


Como curiosidade, listo abaixo 10 comidas de rua super interessantes de Hong Kong (em ordem aleatória). Importante mencio…

Como conseguir um visto de trabalho em Hong Kong (parte 1)

Eu já falei sobre isso em um post anterior, mas vira e mexe aparece a pergunta no grupo de brasileiros em Hong Kong no Facebook: como conseguir um visto de trabalho em Hong Kong? Por isso resolvi falar mais sobre como obter o tão sonhado visto de trabalho (uma vez que você receba uma proposta de emprego de uma empresa local).

No meu caso, por exemplo, eu tive que ir na cara e na coragem, já que depois de receber a proposta para trabalhar na ONG eu percebi que: 1) o escritório tinha apenas 10 funcionários na época e o RH era novo, e 2) como eu suspeitava, o cara do RH não fazia a menor idéia de como processar um visto de trabalho. Aliás, quando eu finalmente comecei a trabalhar, ele já tinha até se demitido, então vai vendo o nível...
Hong Kong é um lugar com ótimas ofertas de trabalho para profissionais qualificados. Porém, muitas empresas que nunca tiveram experiência com o processo do visto ficam meio desmotivadas em contratar estrangeiros e ter que cumprir os requisitos exigidos pe…

Viver em Hong Kong - O guia!

Estou de volta!
Aliás, nunca abandonei este meu belo blog, mas vários motivos de força maior me impediram de escrever nos últimos 6 meses, incluíndo preguiça e outras coisas mais importantes, como formatura, viagens, e até uma mudança de emprego! Mas sempre estive aqui, na boa e velha Hong Kong...
Nesses meses recebi vários emails de brasileiros que tem interesse de morar em Hong Kong e saber mais sobre a vida aqui. Para unir o útil ao agradável, resolvi dar uma ajuda e reunir algumas informações bem úteis para quem está interessado em vir passar uma(s) temporada(s) aqui.
Regra número 1 - Hong Kong não é China!
Eu já falei isso várias vezes aqui no blog, mas viver em HK é totalmente diferente de morar na China. Um exemplo: brasileiros podem vir pra HK a turismo sem precisar de visto e ficar aqui até 90 dias. Já para a China, brasileiros precisam sim de visto! Me empolguei e até fiz uma tabela com as diferenças mais marcantes entre HK e China:
Hong KongChinaPreciso de visto?NãoSimIdio…